Tempo de leitura: 5 minutos

Conversamos com André Daniel Hayashi, da FAE — que divide sua atuação entre a de professor da FAE e a de investidor — para descobrir como trilhar um caminho inspirado na trajetória de um dos homens mais ricos e poderosos do planeta. Todos nós já devemos ter ouvido, ao menos uma vez na vida, para termos cuidado com a crítica construtiva de quem nunca construiu nada, não é mesmo? Outro famigerado clichê que engrossa o coro é o velho “se conselho fosse bom, não seria dado, e sim vendido”. Mas e se a pessoa a ser ouvida não for ninguém menos que Warren Buffett?! Para quem não o conhece, trata-se de um dos investidores mais importantes do mercado financeiro global e um dos homens mais ricos do planeta — com fortuna estimada em quase US$90 bilhões. Pronto, já temos argumentos mais que suficientes para voltarmos nossas atenções às lições do poderoso investidor e descobrirmos por que a formação é importante. A essa altura, você talvez esteja se perguntando: como ficar bilionário assim? O patrimônio de Buffett vem de sua atuação como presidente e principal acionista da Berkshire Hathaway, empresa de investimentos fundada na década de 1960 e que, hoje em dia, detém participações em dezenas de grandes companhias como Apple, Coca-Cola, Visa e Kraft-Heinz. Não por acaso, Buffett recebeu o apelido de “Oráculo de Omaha” (cidade do meio-oeste norte-americano onde vive) devido ao seu desempenho absolutamente magistral: além de bater constantemente os índices S&P 500 e Dow Jones ao aplicar conceitos de value investing e gestão de risco para multiplicar seu capital, tem tido um retorno médio de 20% ao ano nas últimas cinco décadas. Diante de tamanho repertório, sabe o que Warren Buffett diria a um jovem profissional? Para ele investir em si mesmo! Visando tornar tangível o conselho de Warren Buffett, conversamos com o professor mestre André Daniel Hayashi, coordenador do MBA executivo em Finanças e Mercado de Capitais da FAE Business School. Com experiência de 20 anos na área, Hayashi traduz em ações efetivas o que cada profissional é capaz de fazer por si mesmo o quanto antes, a exemplo do que aconselha Buffett.

Como ficar rico com mais rapidez?


Foto de André Daniel Hayashi - Professor, Mestre e Coordenador do MBA Executivo em Finanças e Mercado de Capitais, em sala de aula

Como nos conta Hayashi, Warren Buffett é muito conhecido por sua visão de longo prazo nos investimentos, ou seja, defende que as pessoas não utilizem estratégias especulativas de curto alcance na tentativa de acelerar a obtenção de riqueza. “Na realidade, para Buffett ocorre exatamente o oposto: em termos estatísticos, aqueles que buscam ficar ricos com rapidez e param de investir em sua própria formação continuada são aqueles que demoram mais a atingir o tão desejado patrimônio.” Partindo desse pressuposto, Hayashi defende que a atitude de investir em constante atualização e capacitação é condição necessária para a sustentabilidade do crescimento profissional em qualquer área. Dando continuidade ao pensamento, o também palestrante e consultor sobre investimentos antifrágeis traz uma dica prática que é ensinada em uma das pós-graduações da FAE. “Em Gestão de Mercado Financeiro, assim como defende Buffett, vemos que para atingir a liberdade financeira é crucial destinar um pouco de dinheiro todo mês a um índice de ações”, explica. Aparentemente simples, a orientação envolve conhecimentos de administração, contabilidade, economia, estatística, dentre outras, para que um analista de investimentos profissional escolha uma determinada empresa na qual investir. De acordo com Hayashi, são justamente as empresas escolhidas pelos analistas profissionais que serão as mais negociadas no pregão da bolsa de valores — logo, elas é que estarão figurando nos principais índices de ações como, por exemplo, o índice Ibovespa no Brasil e o já citado S&P 500, nos EUA. “Usando conhecimentos de matemática, pode-se comprovar que o Ibovespa rendeu o equivalente a 14% ao ano desde a sua criação, em 1968, e é muito difícil encontrar algum investidor que tenha conseguido superar essa marca de rentabilidade nos últimos 53 anos. E, se alguém conseguiu, certamente deve-se a uma formação educacional diferenciada e contínua ao longo do tempo, e não a estratégias especulativas visando ganhos de curto prazo.”

Por que investir em uma formação educacional?

Na mesma entrevista em que cita a importância de investir em si mesmo para chegar mais longe na carreira e obter sucesso, Warren Buffett sugere trabalhar as habilidades de comunicação, tanto verbal como escrita. “Você pode ter todo o poder intelectual do mundo”, ele diz, “mas precisa conseguir transmitir sua mensagem. Senão, é como piscar para uma mulher no escuro — nada acontece.” Segundo o coordenador da FAE, a questão tem especial relevância para ele enquanto professor e investidor. “Eu poderia ter ensinado muito do que sei em termos de investimentos para meus filhos, que ainda são jovens. Porém, o contato com várias pessoas do mercado financeiro me fez perceber que muitos não vão para frente por não conseguirem falar em público, escrever um pequeno texto com o mínimo de coerência, fazer cálculos simples de rentabilidade, entre outras limitações”, conta. Por conta disso, Hayashi orienta deixar os ensinamentos de investimentos para depois, focando primeiro na construção de uma sólida base de aprendizagem — que inclui matemática, linguagem, história e filosofia, para citar apenas algumas disciplinas. “Assim, no futuro, o aluno poderá aproveitar ainda mais uma graduação e uma pós-graduação, que por sua vez formarão a base necessária para o crescimento sustentável em suas carreiras.” Por fim, Hayashi cita a importância de escolher uma profissão que traga prazer e brilho nos olhos. “Costumo dizer isso aos meus filhos, pois assim dificilmente ficarão sem trabalho e poderão investir uma pequena parte de seus salários mensalmente numa carteira antifrágil de investimentos (também ensinada na pós-graduação da FAE), que certamente trará a tão desejada aposentadoria milionária sustentável”, finaliza.

Não é possível comentar.