Tempo de leitura: 6 minutos

Entre os recursos disponíveis para investir em si mesmo está mudar o mindset em prol de uma vida pessoal e profissionalmente melhor

Nunca se falou tanto na importância de investir em si mesmo, o que é muito diferente de gastar com si mesmo. Existe diferença entre investimento e gasto? Sim, e ela é enorme. Em resumo, o que está em jogo aqui é o retorno sobre o que se aplica: pode ser um curso de especialização ou mesmo um novo software para sua empresa. A bem da verdade, todos sabemos que buscar mais conhecimento e apostar em novas tecnologias representa saltos gigantescos na carreira. Mas não para por aí: desenvolver novas aptidões é tão importante quanto expandir os horizontes em prol de uma vida e, por que não, um mundo melhores.

Está pronto para esta jornada? Vamos nessa!

Ficar bem apesar da pandemia: um bom plano para investir em si mesmo

A realidade atual é, no mínimo, desafiadora, e só nos resta encará-la de frente. Atravessamos uma pandemia e não só hábitos tiveram que ser revistos, como também valores e habilidades. Para além da crise sanitária, nossas casas se transformaram em escritórios e salas de aula — em um cotidiano frenético que exigiu de famílias um verdadeiro malabarismo para que não deixassem sumir de suas residências a atmosfera inerente de um lar. No universo corporativo, não foi diferente: líderes de diferentes segmentos precisaram explorar novas capacidades de produção e de evolução de profissionais, reposicionando papéis e despertando competências diferenciadas.

Quem esteve mais aberto a essas mudanças — rapidamente aplicadas diante da gravidade e do senso de urgência do cenário — e conseguiu lidar com elas mantendo o equilíbrio e o emocional fortalecidos pode se considerar um passo à frente. A célebre frase “não é o mais forte que sobrevive, nem o mais inteligente, mas o que melhor se adapta às mudanças”, dita por Leon C. Megginson, professor da Louisiana State University num discurso em 1963 (e erroneamente atribuída a Charles Darwin), nunca fez tanto sentido. Quem estiver aberto às novas ideias, consciente das próprias limitações, lidará melhor com as rupturas e quebras de paradigmas que, ao que tudo indica, parecem estar apenas começando.

Adote uma atitude protagonista

Desenvolvimento pessoal - Mire no extraordinário - Imagem da Doutora Maria Eunice Nascimento - Doutura em Psicologia do Trabalho e Especialista em Comportamento Organizacional e Gestão Estratégica
Doutora Maria Eunice Nascimento

Para a doutora em psicologia do trabalho e especialista em comportamento organizacional e gestão estratégica, Dra. Eunice Maria Nascimento, as situações inesperadas atuam como fontes riquíssimas de aprendizado. “Com elas, revemos nossas necessidades, incluindo as da prática profissional, e temos a chance de criar novas oportunidades”, afirma. Por meio de repertórios diferentes, é viável descobrir formas inéditas de atuar, liderar e, principalmente, de se preparar para lidar com vulnerabilidades. “Nesse sentido, a comunicação tem papel essencial, sendo o grande elo entre empresas e pessoas”, orienta. Assim, segundo Eunice, é imprescindível criar ações diretamente conectadas com o público-alvo, incluindo linguagens adaptadas inseridas de maneira assertiva.

Seja você um gestor ou alguém que mira nesse cargo, além de uma boa especialização é fundamental ter consciência da responsabilidade desse papel, pois os gestores é que criarão um ambiente repleto de propósito e significado real junto aos seus colaboradores, atuando como facilitadores e cultivando organizações verdadeiramente prósperas. De acordo com Eunice, é chegada a hora de reconhecer o que verdadeiramente importa para o ser humano. “Indivíduos que deixam suas empresas diariamente com um senso de realização pessoal vão querer retornar e se concentrar em grandes desafios, graças à motivação intrínseca e à certeza de que contribuíram de forma efetiva, dando o seu melhor dia após dia, ano após ano”.

Caberá ao líder colocar em prática esse processo de comunicação interconectado, investindo nas qualidades mentais cruciais de suas equipes, na atenção plena, no altruísmo e na compaixão (veja mais a seguir), qualidades essas que servem de alicerces. Nesta jornada, a pós-graduação certa pode representar um divisor de águas para um real ajuste de mindset.

Evoluir também é se autoanalisar

Se antes, como vimos, o mercado já era uma sucessão de reviravoltas, de 2020 para cá esse conceito se exacerbou. Portanto, mais do que manter os negócios funcionando e prosperando, é importante não negligenciar o âmbito pessoal para não acabar entrando em colapso. Com esse fim, Eunice — que também é coach, mentora e professora universitária — compartilha três valiosos ensinamentos que, ao serem desenvolvidos, ajudarão a trilhar esse caminho com muito mais pertencimento, tranquilidade e, claro, sucesso.

  • Atenção plena: consiste em gerar uma efetividade mental, fazendo com que o ser humano descubra sua potencialidade tanto profissional quanto pessoal. Essa efetividade torna possível atingir metas, objetivos e desejos enquanto prestamos atenção no momento presente com a mente calma, concentrada e desobstruída. Dessa forma, temos a diminuição do estresse, a melhora das relações interpessoais, a ampliação da autopercepção no que tange emoções e comportamentos impulsivos e agressivos e, além disso, adquirimos equilíbrio e resiliência diante das pressões. A concentração e a percepção terão atuação conjunta e, quanto mais utilizarmos essa dupla, mais atentos e focados estaremos;
  •   Altruísmo: é a sabedoria que leva o ser humano a sair do seu caminho pessoal e organizacional, combinando a autoconfiança com a intenção humilde de estar a serviço dos outros. Dessa forma, faz com que se revele a melhor versão do indivíduo. Os líderes devem manter seus egos sob vigilância, tomando o cuidado de não se apegarem a um juízo inflado sobre si mesmos. A humildade os auxilia a entender o valor de servir e de deixar um legado, criando uma cultura saudável e um ambiente acolhedor. Grandes líderes domam o seu ego em prol de um bem maior, de pessoas e de organizações;
  •   Compaixão: aflora como consequência natural do altruísmo e da intenção de estar servindo, compreendendo perspectivas alheias e sendo fonte de energia para ações de apoio e valorização. A compaixão transforma e permite visualizar a floresta como um todo e não apenas como algumas árvores. Fornece muita coragem e força para lidar com o próximo e com situações e decisões difíceis. É um sentimento que torna o líder mais preparado, pois cultiva lealdade, confiança e engajamento. As conexões se tornam fortes e o senso de dignidade emerge.

Tome nota: além de expandir conhecimentos, cuidar da saúde e desenvolver novas habilidades pensando em mais criatividade, é imprescindível tornarmos as relações mais humanizadas. “Só dessa forma removeremos as camadas de status e de poder, obtendo uma cultura organizacional voltada para pessoas”, acrescenta. “Com a atenção plena ficamos presentes no aqui e agora. Com o altruísmo, o líder oferece apoio na caminhada e, com a compaixão, ocorre uma conexão humana sólida com um propósito compartilhado”, finaliza.

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Não é possível comentar.