Tempo de leitura: 9 minutos

Terminada a leitura, só vai faltar garantir seu lugar no curso de especialização mais adequado ao seu perfil

Você já parou para pensar se está na hora de fazer uma especialização e sobre quais são as vantagens? Diante da tão sonhada entrevista de emprego para alavancar a carreira, você fica confiante sobre o que genuinamente te move? Mais do que competências técnicas e foco, fazer uma pós-graduação representa expandir seu alcance sobre a imensa gama de novas possibilidades que surgem no competitivo e exigente mercado de trabalho.

O olhar ampliado sobre sua área de atuação, assim como uma imersão rumo ao autoconhecimento são apenas algumas das vantagens. Respeito, reconhecimento e, consequentemente, maiores salários — até 255% de aumento — estão intimamente ligados à decisão de investir em si mesmo com determinação.

Tente fazer valer a pena e seja plenamente feliz e realizado com suas escolhas. Não se trata de uma missão fácil. Entretanto, munido das melhores referências e direcionamentos, é possível conquistar o tão almejado equilíbrio pessoal e profissional.

Está na hora de se especializar?

Evoluindo rapidamente, a tecnologia e o mundo dos negócios não têm tempo a perder. Por isso, ter iniciativa e fazer valer a pena são, hoje, praticamente uma exigência. Nesse sentido, não importa tanto o quanto de experiência foi acumulada até aqui, mas sim a vontade de compreender o campo de atuação em que se está ou em que se pretende ingressar. A ideia de ter uma “bagagem” para só então escolher uma pós-graduação ou MBA foi substituída pela urgência de possuir novas competências e habilidades.

Por isso, o coordenador de pós-graduação da FAE Business School, Luiz Carlos Beraldi, é categórico: “o momento certo para iniciar é sempre agora e vale para todos”. Quem pode fazer pós-graduação? Independentemente do nível de capacitação, basta ter concluído a graduação para optar por esse caminho. “Ao longo do curso, o aluno poderá compreender as demandas e características das organizações, sendo apresentado às situações e desafios típicos inerentes a elas”, explica.

Para Beraldi, o amadurecimento estratégico que causa impacto no âmbito privado e também traz contribuições a uma empresa é conquistado ainda na vivência da especialização. “Permitirá ao indivíduo reconhecer suas necessidades, trazendo evolução àquela carreira — além do relacionamento com professores e colegas ser de uma riqueza incontestável”, pontua. E reforça: “Trata-se de uma exposição importante no processo que, mais do que ensinar, antecipa o que virá”.

Escolher curso de pós-graduação exige reflexão

Antes de chegar a um nível elevado de visão e entendimento do mercado, o aluno enfrentará o desafio de escolher a pós que irá cursar. Para quem já está em campo há mais tempo, a decisão estará ligada ao seu objetivo. Em ambos os casos, tudo começa com uma boa reflexão. Pergunte-se: vai valer a pena? Quais são minhas principais metas? E minhas linhas de interesses? Inicialmente respondidas essas questões, ficará mais fácil definir o trajeto.

Contudo, mesmo considerando tudo isso, haverá outras variantes. “Gosto de falar sobre o assunto com meus alunos em sala de aula, pois procuro despertar neles o pensar sobre os pontos críticos que existem no desenvolvimento de pessoas e instituições” — pontos que, segundo Beraldi, estão em constante movimentação. “Porém, uma vez em que há a oportunidade de compor o cronograma da pós, a exemplo da flexibilidade que a FAE oferta, essa decisão acaba passando pelo que é realmente relevante e prioritário para cada um, trazendo enorme diferenciação e tranquilidade”, acrescenta.

Normalmente, esse é o momento em que surge uma dúvida comum: você sabe a diferença entre pós-graduação e MBA? Didaticamente, Beraldi resume com muita clareza. “Indico a pós para as instâncias mais operacionais e táticas, voltadas às funções que movimentam e realizam processos. Já o MBA é recomendado para quem visa ocupar posições estratégicas e possui um nível maior de senioridade”, diz, lembrando que não se trata de avaliar a capacidade, mas sim de priorizar e se apropriar-se da atual demanda de cada um.

Como saber no que se especializar?

ara ajudar na visualização do que faz um bom curso de pós-graduação, o professor Beraldi lista quatro eixos de conhecimentos fundamentais.

  1. TÉCNICA: são aqueles conhecimentos que devemos adquirir para agir. Por exemplo: necessito cursar disciplinas como Contabilidade Empresarial e Administração Financeira para que eu tenha uma gestão adequada da saúde financeira da organização. Características mais técnicas que trazem o formalismo, os métodos, as ferramentas e os recursos que resultam no “executar”.
  2. RELACIONAMENTO: trabalhamos com pessoas e para pessoas. Um desafio tão grande ou até maior do que a própria área de formação. Essa habilidade de se relacionar e atender expectativas é uma competência que deve ser desenvolvida ao longo de toda a vida.
  3. GESTÃO: para quem pretende ocupar cargos executivos e de administração. Neste caso, são desenvolvidas competências específicas para tal fim.
  4. POSSIBILIDADES: em função do aluno estar inserido numa escola de negócios de primeira linha, da flexibilidade dos programas e do trabalho de mentoria realizado pelo coordenador com cada aluno, criam-se possibilidades inusitadas de desenvolvimento que permitem que o curso seja um verdadeiro ponto de inflexão na carreira desse profissional.

Planejar a rotina auxilia no aproveitamento da pós-graduação

É preciso ter em mente que será preciso cumprir de 20 a 40 horas semanais para conquistar bons rendimentos. “Isso vale tanto para a modalidade presencial quanto a on-line, conciliando ainda um tempo dedicado à pesquisa e aprofundamento em que caberá avaliação individualizada”, orienta Beraldi. O esforço extraclasse é uma das garantias de resultados, mas não a única. Sem contar que, na visão do educador, fazer a trajetória valer a pena “envolve a convicção de estar se tornando um profissional mais maduro, competente e capaz, com chances superiores de agregar ao trabalho que realiza”.

Uma pós-graduação pressupõe que você vai se aprofundar numa área de conhecimento e terá, a partir de então, condutas e posicionamentos diferentes. Portanto, ter um bom planejamento é crucial antes mesmo do início dos estudos. “Fazer uma construção de grade curricular consistente com suas metas de desenvolvimento, sem deixar de considerar o restante dos compromissos e responsabilidades, é fundamental para não se sentir sobrecarregado e acabar prejudicando a absorção do aprendizado”, alerta. Para o coordenador, em alguns casos é recomendado que o aluno faça uma disciplina por período. “Isso dará a ele a chance de focar no tema sem dispersões.”

Lidar com o inusitado é um diferencial que vem sendo buscado pelas empresas e explorado com a devida atenção nas instituições que ofertam pós-graduação. “Ao criarmos pontos de inflexão na rotina do aluno, permitimos que ele descubra novas habilidades, muitas até então não desenvolvidas ou exploradas. Para isso, o esforço será conjunto e exigirá percepção particular do indivíduo e sensibilidade dos profissionais que o estarão assessorando”.

Evoluir ou mudar de área profissional: como tomar essa decisão?

Ter um propósito de vida claro? Estar alinhado com as expectativas do chefe e da empresa na qual trabalha? Conversar com o coordenador do curso antes de se matricular em uma pós-graduação? Todos os questionamentos estão corretos e possuem grau de importância e relevância. De acordo com Beraldi, um gestor — com seu maior entendimento do cotidiano empresarial — poderá trazer contribuições importantes a serem divididas com seus colaboradores.

Além disso, atualmente, tem-se a mentoria como uma chance ímpar no processo contínuo de consolidação de um bom plano de carreira atrelado ao autoconhecimento. “É muito comum vermos pessoas seguindo por campos que muitas vezes foram escolhidos por influência familiar e não necessariamente por vontade própria. E, depois de concluída a formação, acabam seguindo o caminho da vocação”, exemplifica. Mesmo assim, o ser humano sempre terá que lidar com certo grau de incerteza. “É aí que pode acabar ocorrendo a desconstrução e guinada desse profissional”.

Com o mesmo peso e relevância, os professores costumam ser peças fundamentais nesse percurso, pois são eles que ensinam, inspiram e trocam experiências quase diariamente com seus discentes. “Formações consistentes e robustas e o contato com um grande número de alunos, aliados à currículos que, antes da vivência acadêmica somaram passagens por grandes empresas: isso nos torna responsáveis e sensíveis ao olharmos para os profissionais que passam pelas turmas”, diz.

Invista em você

Um fato comprovado por pesquisas de mercado é que, a cada ano que você tem de investimento na sua formação, são criadas chances reais de crescimento salarial. É o que mostra, por exemplo, um estudo do Instituto Semesp, que representa mantenedoras de ensino superior. Após analisar microdados de 2016 a 2019 da Pesquisa Nacional por Amostras de Dados (PNAD Contínua), do Instituto Brasileito de Geografia e Estatística (IBGE), a entidade comparou o rendimento médio dos brasileiros com o grau de escolaridade e chegou a porcentagens impressionantes: com MBA, pós-graduação, mestrado ou doutorado, tende-se a ganhar de 150% a 255% a mais do que apenas com graduação.

Isso acontece por um motivo simples: você se torna mais qualificado e vale a pena. “Alguém que tem ao menos uma certificação já é diferenciado e apresenta outra postura. Na visão da organização, ele automaticamente é visto como melhor preparado”, analisa Beraldi. Se o problema era abrir portas, fica claro que, a partir desse momento, pode  deixar de ser. Pragmaticamente, como isso acontece? “Estamos falando de alguém completo, não de um ponto de vista só técnico, mas sobretudo humano, no sentido do saber se relacionar e demonstrar motivação, resiliência, engajamento e empatia”, sugere o coordenador ao falar de soft skills, lembrando que saber lidar com as expectativas quanto ao retorno do investimento, dosando a ansiedade e focando no crescimento interno, são igualmente importantes na personalidade vencedora. “A velocidade de expansão varia de acordo com a área escolhida. Quer dizer, mais do que optar por uma que seja mais promissora, é crucial gostar do que se faz e agir com plenitude, ficando assim muito próximo do reconhecimento e de se tornar referência”, completa Beraldi, sem deixar de mencionar que, ao fazermos boas escolhas com essência e propósito, é possível ver o brilho nos olhos.

Levados a realizar um simples exercício, o de se retratarem no início e na metade da jornada, muitos alunos se impressionam com o que relatam sobre si mesmos no segundo momento. “Nitidamente, se percebem mais maduros e bem preparados. Não há argumento melhor que esse, considerando todo o crescimento adquirido, para buscar uma pós-graduação ou MBA”. 

O professor Beraldi e outros profissionais de renome te aguardam para prosseguirem com essa conversa. Está preparado?

Não é possível comentar.